Escolha uma Página
Você fica no seu pé ou fica ao seu lado?

Muitas pessoas tem um sistema de avaliação rígido de mais ou apresenta uma falha. Raramente ficam satisfeitas quando são bem-sucedidas e são muito crítica com sua performance, mesmo que vençam e vençam muito e por um longo período. Isto pode tornar-se um padrão rígido. No passado, pode tê-las guiado para grandes sucessos, mas com o tempo torna-se um fardo. Elas tendem a tentar continuamente e, em geral, sentem que estão se torturando e ainda falham aos seus próprios olhos. Acreditam que é o único modo de se forçarem a alcançar sua melhor performance. É como se eles tivessem uma calculadora com defeito, mas não percebessem. Ela tem sempre um dígito a menos. A se avaliarem, a calculadora deveria mostrar 1.000, mas não percebem que seu sistema de avaliação é falho ou está quebrado.

Há três consequências inesperadas ao se ficar no pé de alguém, em vez de estar do seu lado:

1. Nunca ficam satisfeitos com sua performance e sua autoconfiança é afetada;
2. Como tudo parece ser menos do que eles tinham esperado, eles se sentem miseráveis, tensos e infelizes. Uma mistura de frustração, tristeza e sem direção;
3. Inconscientemente, tratam os outros do mesmo modo como tratam a si mesmos – críticos demais, exigentes, negativos e nunca satisfeitos.

Algumas vezes necessitam uma linguagem forte para alertá-las para o grave impacto que esse tipo de padrão tem em sua performance final e bem-estar. Se você se reconhece no perfil citado, responda a uma pergunta simples: Qual a porcentagem do tempo você está no seu pé, em vez de estar do seu lado? Use uma escala de 1 a 100. Você pode dizer se você ou os outros tem um sistema de avaliação falho se depois de toda performance, você estabelece que deveria ter tido:

1. Melhor esforço;
2. Qualidade mais alta;
3. Mais rapidez;

A manifestação desse tipo de atitude geralmente é sentir-se censurado por si mesmo por falhar em viver à altura de suas habilidades. É quase como tirar o chicote e começar a se bater. Você pode ainda dizer ou pensar: “Como pude ser tão estúpido? Quando finalmente aprenderei? O que há de errado comigo?” Mais, melhor, mais rápido, mais, melhor, mais rápido… torna-se um sistema automático de autoavaliação negativa.

O melhor modo de mudar de ficar no seu pé para ficar do seu lado é primeiro notar como você se comporta, então transformar a avaliação em um plano de aprendizagem e ação. A seguir, estão alguns exemplos de afirmações rápidas que o apoiarão a se redirecionar para ficar do seu lado.

Chicote do “Ficar no seu pé”

● Como pude ser tão mau?
● Não sei mais do que isto?
● Sou um idiota por fazer isto!
● Por que não comecei isto mais cedo?
● Eu poderia ter feito um trabalho muito melhor!
● O que está errado comigo?
● Eu deveria saber mais!
● Fiquei cuidando dos interesses dos outros!

“Do seu lado” (frases que apoiam no redirecionamento do hábito)

● Quais partes desta performance que foram bem?
● O que não resultou do modo como eu queria?
● O que exatamente não funcionou aqui?
● Qual parte está sob minha influência?
● Há algo que eu poderia ter feito diferente?
● O que eu terei que fazer para aceitar esta performance e não me abater?
● O que posso aprender com esta performance?
● O que terei que melhorar na próxima vez?
● Há alguma aprendizagem, treinamento ou ajuda que preciso para melhorar minha performance?
● Qual será o meu próximo passo?
● Como terei certeza de que permanecerei nos trilhos?
● Quem pode me apoiar?
● Pratico uma vida com equilíbrio nas esferas do corpo, emocional, social, econômico e espiritual?
● O que faz sentido para mim?

Observe a qualidade das afirmações acima e seu efeito em você. É importante reconhecer primeiro o que deu certo para estabelecer a devida perspectiva em sua avalição e diminuir o padrão “mais, melhor, mais rápido”.

Nadler, R. Rio de Janeiro: Alta Books, 2011.

Posts Relacionados

A sedução da demora – performance abaixo do esperado

  Algumas vezes definimos objetivos muito elevados e feitos sem o benefício do pensamento crítico ou do exame verdadeiro de sua possibilidade. A “perfeição” racionaliza que você precisa estender e pressionar a si mesmo, portanto você define objetivos que são extremos,...

ler mais

Se correr é pior: sobrevivendo aos predadores do cotidiano

Está escuro... e você não consegue identificar de onde vem aquele som assustador que lentamente se aproxima. Sua respiração se torna curta e rápida, enquanto seus batimentos cardíacos aceleram de forma frenética. Você sente sua boca seca, seus músculos tensos, sua...

ler mais